Entrevista com Marcos Bessa – LEGO® Designer

Marcus Bessa.
Marcus Bessa e algumas de suas criações.

Marcos Bessa é um grande fã de LEGO® de Portugal que mudou-se para a Dinamarca para realizar seu sonho de se tornar um LEGO® Designer. Ele gentilmente cedeu esta entrevista ao LUG Brasil:

Marcos Bessa.
Marcos Bessa e algumas de suas criações.

Como você se tornou LEGO® Designer?

Por volta de Maio/Junho de 2010 eu estava terminando o terceiro ano do meu curso universitário em Engenharia Informática e Computação, quando encontrei na internet um anúncio falando que a LEGO® estava recrutando novos designers. Desde 2007 que eu vinha fazendo parte da Comunidade 0937, um LUG Português, criando diversas construções, participando em eventos e encontros. Então quando chegou essa oportunidade, não hesitei em criar um portfólio com as minhas melhores criações LEGO® – e outros trabalhos também – para enviar juntamente com a minha candidatura para aquele que era o meu emprego de sonho desde criança. Acabei sendo selecionado para um workshop em Billund nesse mesmo Verão (aqui nesse lado do mundo! :)) e depois de 2 dias prestando provas que envolveram construção com LEGO®, desenho, planificação, …, fui convidado a me mudar para a Dinamarca e começar a trabalhar como Júnior Designer a partir de Outubro desse ano. E assim fui: me mudei de malas e bagagens, sem medos, sem dúvidas, sozinho. Hoje estou vivendo no meu apartamento, numa cidade nas redondezas de Billund, trabalho na empresa já faz 2 anos, agora com o título de Designer.

Você teve que fazer muitas mudanças em sua vida para abraçar essa oportunidade?

A principal e mais radical mudança foi sem dúvida vir para a Dinamarca! Até então nunca tinha deixado a casa dos meus pais, vivia perto de toda a minha família, via todo o mundo quase todas as semanas… E de repente me encontrei num país completamente diferente do meu, com uma língua diferente, sem conhecer ninguém, sem amigos ou familiares para me apoiar, começando a trabalhar pela primeira vez desde que terminei os meus estudos. A meteorologia aqui também é muito diferente da que estava acostumado em Portugal e foi também bastante difícil acostumar a tanto frio, chuva e até neve, mas agora já faz parte do meu quotidiano. Agora essa é a minha “casa”. Além de tudo isso, passei a viver os meus dias falando e escrevendo inglês. Aqui a língua oficial é o Dinamarquês, mas essa é uma língua extremamente difícil de aprender, por isso ainda não me dediquei suficientemente a essa hercúlea tarefa! O fato de a LEGO® ser uma empresa tão internacional facilita, visto que todo o mundo aqui comunica usando o inglês.

Como é a rotina de um LEGO® Designer?

Em primeiro lugar, e como seria de esperar, a maior parte do meu tempo é passado construindo com as nossas adoradas peças coloridas. Diria que por volta de 60% ou 70% do meu tempo é passado construindo algo. O resto do tempo é usado em reuniões, planificações, desenho de novas peças, entre outras coisas. Trabalho 5 dias por semana, normalmente entre as 8h45 e as 16h30. Como estou vivendo numa cidade a cerca de 30 km de Billund (Billund é demasiado pequeno e parado!!), tenho de usar o ônibus para viajar entre trabalho e casa. Os transportes públicos aqui são bastante bons, pelo que ainda não se justificou comprar um carro. Quem sabe mais tarde…

Você trabalha com alguma linha específica?

Desde que comecei em Outubro de 2010, trabalhei num conjunto alternativo para dois sets de Piratas das Caraíbas (Piratas do Caribe), depois ajudei na “concept phase” do tema Monster Fighters. Logo depois comecei a trabalhar na linha LEGO® Super Heroes, desde a sua origem, e tem sido esse o meu principal projeto desde então. Pelo meio já trabalhei numa outra linha muito interessante que sairá em Abril do próximo ano e até em Star Wars. Mais recentemente tenho dedicado grande parte do meu tempo na produção do filme LEGO® que está programado para estrear mundialmente em Fevereiro de 2014.

Quanto tempo demora a criação de um novo conjunto?

Depende do conjunto. Um set pequeno (à volta de 10 ou 20 dolars) pode levar apenas um mês ou dois a ser desenvolvido, mas outros sets levam alguns meses mais. Diria que em média o processo leva uns 3 meses. Também depende do que está por trás desse conjunto: que tipo de referência está sendo usada, se preciso esperar por um script de um filme, se preciso aguardar por material do parceiro da licença com que trabalhamos (como no caso de LEGO® Super Heroes), ou se tenho de desenvolver novas peças em conjunto com o normal processo de design.

O que mais te atrai nessa função? O que você pode destacar?

Sem dúvida que é a possibilidade de usar a minha criatividade ao máximo e de me desafiar diariamente, tentando encontrar novas formas de utilizar os elementos, de construir novas coisas, novas funções…

Qual a sensação de poder ter qualquer peça disponível à mão? Ajuda ou atrapalha a criatividade?

Por um lado, diria que nos tempos em que estava limitado à minha coleção pessoal em Portugal, talvez a minha criatividade fosse desafiada de uma forma diferente. Se não tinha aquela peça específica, teria que dar um jeito e encontrar uma alternativa (ou então perder a cabeça no Bricklink!). Aqui, apesar de ter praticamente qualquer peça à minha disposição – e até, em alguns casos, a possibilidade de criar novos elementos – não deixo de encontrar desafios a toda a hora: simplesmente são diferentes daqueles que enfrentava no passado. Além disso, estou rodeado por alguns dos melhores construtores de LEGO® em todo o mundo! É um privilégio trabalhar com tanta gente tão criativa e talentosa e totalmente inspirador. Portanto, a criatividade está sempre sendo alimentada e desafiada ao mesmo tempo.

Você tem alguma relação com o Brasil? Conhece nossa relação com LEGO®? (Pode dizer se gosta da música, da cultura, algum local que te interesse, futebol, amigos…)

Infelizmente nunca visitei o Brasil, mas é sem dúvida um país que me desperta muito interesse e pelo qual tenho um inegável carinho. É um povo irmão e sinto realmente isso! Nesse exato momento estou respondendo às suas perguntas ouvindo a minha própria voz dentro da minha cabeça ditando todas essas palavras com um sotaque o mais brasileiro possível. Estou fazendo um esforço para me aproximar de vocês o mais que posso! E isso, na verdade, acontece naturalmente para mim. Como de resto, alguns dos membros do LUG Brasil poderão confirmar. 🙂 No ano passado tive a oportunidade de conhecer alguns deles no evento LEGO® em Skærbæk e não podia evitar falar nesse “Português adocicado” que vocês falam. É culpa de todas as novelas que cresci assistindo lá em casa. O povo brasileiro, a sua cultura, a sua forma de falar, e até a música, acabaram por se tornar bastante familiares e queridos, ainda que nunca tenha realmente pisado a terra do vosso lado do Atlântico. Tenho conhecimento do LUG Brasil e, como disse, já conheci pessoalmente alguns dos seus membros que estiveram por cá no ano passado. Estou até inscrito no fórum, mas não visito muito regularmente. A falta de tempo não permite uma participação mais ativa por lá… =/

Para finalizar, você pode passar uma mensagem para o LUG Brasil e seus integrantes?

Antes de mais, muito obrigado pelo interesse no meu percurso aqui na LEGO®! Um grande obrigado também, em nome da empresa, por todo o entusiasmo e carinho que vocês demonstram constantemente pela marca que todos nós tanto amamos. Espero muito sinceramente que num futuro próximo surja a oportunidade de visitar um dos vossos eventos no Brasil! 🙂 Teria o maior gosto em conhecer todos vocês, praticar o meu sotaque e conhecer em pessoa um pouquinho desse país tão rico em alegria e beleza! Até à próxima!

Comentários

    1. Na realidade precisa de qualificar, preferencialmente que tenha formação em desenho de produto ou outras correlatas, já ter um bom portfólio de montagens LEGO. Claro que dependendo do potfólio a formação pode até não ser o mais importante.
      Inglês fluente (de verdade).
      Em breve publicaremos uma reportagem a respeito.
      Aguarde